Histórico e Filosofia da Hostelling International

Captura de Tela 2015-12-10 às 13.38.20

A Hostelling International, marca da rede mundial dos Hostels – a maior rede de hospedagem do planeta –, surgiu de uma filosofia de viagem que mistura a descoberta de culturas e pessoas com um turismo econômico e acessível a todas as idades.

Em 26 de agosto de 1909, o professor alemão Richard Schirmann idealizou a criação dos Hostels depois de ser surpreendido por uma tempestade, quando precisou refugiar-se ao longo de uma estrada. O primeiro Hostel começou a funcionar três anos mais tarde em um castelo em Altena, na Alemanha, monumento histórico restaurado e que funciona até hoje.

No final da década de 20, o alberguismo se difundiu por toda a Europa. Nesta época, houve um verdadeiro boom! de Hostels, que se espalharam por todo continente. Em 1927, foram criados Hostels na Suíça e na Polônia; em 1929, na Holanda; em 1930, na Inglaterra, Noruega e França, e, em 1931, na Irlanda, Bélgica e Escócia.

Histórico e Filosofia da Hostelling International
Histórico e Filosofia da Hostelling International

Durante a Segunda Guerra Mundial, o movimento permaneceu estagnado e muitos Hostels foram destruídos. Em 1945, ao final do conflito, os mesmos começaram a ser restaurados e o movimento passou a ser considerado como uma forma de reintegração da juventude européia.

Só em 1934 o alberguismo chegou ao continente americano, mais especificamente nos Estados Unidos. Quatro anos depois, o Canadá também passou a integrar a rede de Hostels. A Argentina (1956) e o Uruguai (1958) foram os primeiros países sul-americanos a fazer parte do movimento. Ambos, inclusive, trabalharam pela expansão da rede na América e abriram as portas para o ingresso de Chile, Peru, Colômbia, Bolívia, Equador, Costa Rica, El Salvador e Brasil.

A HISTÓRIA DOS HOSTELS NO BRASIL

Os Hostels chegaram ao Brasil em 1961, através do casal de educadores cariocas Joaquim e Ione Trotta, que trouxeram a idéia para o País depois de terem visitado um albergue na França, em 1956.

O primeiro Hostel brasileiro recebeu o nome de Residência Ramos e foi instalado no bairro de Ramos, no Rio de Janeiro. Permaneceu aberto de 1965 a 1973. Neste mesmo período, funcionavam no estado de São Paulo dois Hostels, um na Capital e outro em Campos do Jordão, que foram fechados pelo Governo Militar sob a alegação de reunir jovens universitários.

Em 1971, foi fundada a Federação Brasileira de Albergues da Juventude (FBAJ), com sede no Rio de Janeiro, e em 1984 a Associação Paulista de Albergues da Juventude (APAJ), que durante a gestão de Franco Montoro à frente do Governo de São Paulo recebeu apoio significativo, inclusive com a doação de quatro imóveis – um em Campos do Jordão, um em Pindamonhangaba (ambos usados anteriormente por funcionários da Estrada de Ferro Campos do Jordão), um imóvel em Ubatuba e uma casa no Parque Estadual do Jaraguá, que foi habitada pelo bandeirante Afonso Sardinha. No início de 1986, João Dória Júnior assumiu a presidência da Embratur e incentivou o trabalho dos Hostels, tornando-os conhecidos em todo o Brasil.

O Brasil possui mais de 80 albergues credenciados pela Federação Brasileira de Albergues da Juventude, que estabelece metas e diretrizes de desenvolvimento para suas afiliadas e mantém contatos com as demais federações do mundo.

Filosofia

Nossa filosofia é que jovens de todo o mundo conheçam, através do Hostelling International, países, cidades, culturas e costumes diferentes e aprendam a respeitar as peculiaridades de cada povo e a conviver em sociedade, contribuindo para formação do jovem. Os hostels prezam pelo espírito de amizade, o sentimento de solidariedade e o desejo de viajar. Ser alberguista é sobretudo amar a liberdade, dignificar a convivência humana e o respeito. O sucesso do alberguismo repousa na Missão e na filosofia que estão enraizadas no movimento.

Nossa Missão

“Fomentar a educação de todos os jovens de todas as nações, especialmente os de recursos limitados, estimulando neles um maior conhecimento, afeto e cuidado com a natureza, assim como um conhecimento dos valores culturais das cidades, tanto grandes como pequenas, de todas partes do mundo, e, como meio para alcançá-lo, oferecer albergues ou outra classe de alojamento nos quais não existam distinções de raça, nacionalidade, cor, religião, sexo, classe social nem opiniões políticas, para que possam chegar assim a compreender melhor os seus semelhantes, tanto em seu próprio país, como no estrangeiro.”

Essa é a nossa missão tal como estipula o Art. 2 dos Estatutos da Federação Internacional de Albergues da Juventude (International Youth Hostel Federation – IYHF).

Nascimento do Alberguismo com Richard Schirrmann
Criados com o princípio de ajudar os jovens de limitados recursos econômicos a desfrutar da natureza e das cidades do mundo, os albergues se encontram hoje em dia no coração do turismo internacional para uma ampla faixa etária. A contribuição anual dos alberguistas no ingresso do setor turístico mundial já chegou a alcançar 1,4 bilhões de $USA. Desde 1909, o ano em que os albergues nasceram das excursões do professor alemão Richard Schirrmann com seus alunos, o alberguismo já se converteu em uma das maiores organizações associativas para a juventude do mundo, com um número de membros superior a 3 milhões, e uma filosofia mais válida hoje que nunca.

Expansão Mundial dos Albergues

A Hostelling International gera atualmente 35 milhões de pernoites anuais em seus mais de 4.000 albergues espalhados por mais de 60 países. Reservá-los com antecedência não poderia ser mais fácil que através desta página da Internet. çado a faixa dos 30 anos e trazer a sua família de automóvel, como chegar sozinho, a pé, com uma mochila nas costas, ou fazendo parte de um grupo de estudantes… Para o alberguismo tampoco é um fim em si. Para os alberguistas de todas as idades, os albergues constituem um passaporte para a exploração cultural e apreciação da natureza.

O entorno econômico, social e político que enmarca o alberguismo mudou completamente durante este último século. O movimento saiu do seu núcleo original europeu para abarcar o mundo inteiro e satisfazer as expectativas dos jovens de hoje, que dispõem de mais dinheiro e tempo livre, e desfrutam de mais mobilidade que nunca.

O Alberguismo e os Jovens

A rede de albergues permite aos jovens de diferentes nacionalidades, culturas e condições sociais, encontrar-se em um ambiente informal, intercambiar experiências, aprender a conhecer a si mesmos e aos demais, e descobrir o lugar onde se encontram. Os albergues fomentam uma autêntica tomada de consciência dos temas da atualidade em escala internacional.

O alberguismo também exerce um papel fundamental, se bem desempenhado, no desenvolvimento dos jovens, na sua qualidade de futuros empregados no mercado mundial de trabalho. O entorno dos albergues promove a consciência social e pone de manifiesto a importância da cidadania para a convivência. Por outro lado, ajuda a desenvolver o sentido da autodisciplina que se consegue vivendo diferentes situações, vendo-se obrigado a tomar decisões por si só, e aprendendo com as consequências.

Os jovens têm se convertido em porta-vozes dos problemas ecológicos do nosso planeta e nos chamam para unirmo-nos a eles. Graças ao vigor constante que caracteriza o movimento dos albergues da juventude, temos conseguido realizar suas expectativas. E seguiremos fazendo, à medida que vão nascendo novas gerações e que a juventude de hoje se transforme nas famílias alberguistas de amanhã.

Desenvolvimento dos Albergues

A Hostelling International se esforça por fomentar a expansão e a eficiência das Associações de Albergues da Juventude de todo o mundo. Nossa missão é estender a rede de albergues a novas localidades, instituindo os mesmos métodos de trabalho e altos níveis de qualidade em todos os lugares, e impulsionar o ideal alberguista mediante promoções e colaborações a nível internacional.

As receitas geradas por nossas atividades são revertidas em sua totalidade e, dessa forma, os albergues mais rentáveis ajudam a sustentar aqueles situados lugares mais remotos, os quais, se não fosse com essa ajuda, possivelmente não seriam viáveis economicamente. As receitas de exploração servem também para financiar programas de índole tanto física como intelectual, assim como para aumentar a consciência meio-ambiental entre os usuários dos albergues em geral.

Graças a essas iniciativas, a Hostelling International continua abrindo as portas do mundo à juventude e assegurando um serviço sempre em consonância com as necessidades do momento.

O Futuro da Hostelling International

A Hostelling International colabora com os governos e organizações beneficentes de todos os países para abrir as portas do mundo ao turismo. Juntos fomentamos a educação em seu sentido mais amplo e brindamos a todos a oportunidade de descobrir novas culturas de uma forma intensamente satisfatória.

As entidades comerciais também desempenham um papel em nosso movimento e se beneficiam por sua vez de nossa ideologia. Ao associar-se conosco e apoiar nosso trabalho, nos ajudam a traçar o caminho rumo ao êxito, sem que para isso deixemos comprometer nossos princípios fundamentais, nem perder de vista nossos objetivos.

As exigências da vida moderna submetem os jovens a um número sempre crescente de pressões de todo tipo. A luta da IYHF para alcançar suas metas nunca foi mais importante nem pertinente que hoje e nunca houve um momento mais oportuno para esforçar-se em vencer. Graças a sua estrutura e filosofia únicas, e graças também ao respaldo de seus sócios comerciais, dos diversos governos e dos próprios jovens , a IYHF se encontra em uma situação ideal para alcançar esse fim e manter as portas do mundo abertas à juventude

Normas Meio-ambientais

A Federação se esforça por fomentar entre suas Associações, a consciência meio-ambiental e procura unir métodos de trabalho dentro do contexto ecológico, para que o movimento dos Albergues da Juventude desempenhem o papel que lhes corresponde na conservação do meio-ambiente. A fim de que possa realizar esse objetivo, a Federação estabeleceu suas metas baseado nos sete princípios seguintes:

(1) Conservação da Energia
As Associações controlarão periodicamente seu consumo de energia, visto que a produção de energia é a causa principal da redução dos recursos naturais, do aquecimento global, da chuva ácida e das mudanças climáticas. Se deverá fazer todo o possível para se consumir um mínimo de energia. A IYHF se esforçará para utilizar fontes renováveis de energia e, sempre que possível, apoiará a realização de projetos tendentes a este fim.

(2) Reciclagem
As Associações se comprometerão a usar, sempre que as circunstâncias econômicas lhes permitirem, produtos total ou parcialmente reciclados. A separação de desperdícios tais como papel, plástico, pilhas, garrafas e latas, demonstra aos jovens e demais usuários dos albergues da juventude, de uma forma muito visível, nosso cuidado com a utilização dos recursos de nosso planeta. Tomar-se-ão medidas para garantir a qualidade da água, para que se desperdice o mínimo possível e para minimizar os vazamentos.

(3) Contaminação
As Associações adotarão meios razoáveis, entre os que se contará a ajuda das autoridades locais e outros organismos, para reduzir ao mínimo a contaminação. A eliminação de desperdícios, incluindo a cesta de lixo, deverá ser eficaz e aceitável do ponto de vista ecológico.

(4) Transporte
As Associações fomentarão o uso dos transportes públicos sempre que estejam disponíveis. Como alternativa, se aconselhará aos alberguistas que compartam seu automóvel. Todos os albergues da juventude deverão fornecer informações detalhadas sobre os transportes públicos da área. Se incentivará aos alberguistas com carro, que explorem os atrativos dos arredores empregando o transporte público, a bicicleta ou a pé. Com o fim de facilitar esse objetivo, os albergues deverão proporcionar estacionamento prolongado sempre que seja possível.

(5) Natureza
As Associações apoiarão a formação de reservas naturais, parques nacionais e outras zonas criadas, com o fim específico de oferecer tanto um habitat para os animais e para as plantas como um lugar para o descanso das pessoas, as Associações dedicarão parte do terreno de seus albergues a “jardim selvagem”, sempre que o lugar o permita, no que possam cultivar uma variedade de plantas ou algumas ervas específicas cuja função seja alimentar a determinadas espécies de animais e insetos.

(6) Educação Meio-ambiental
As Associações considerarão a criação de meios específicos para a provisão de educação meio-ambiental nos albergues da juventude que sejam aptos para tal. Os albergues podem ser lugares idôneos para a obtenção de material didático sobre o meio-ambiente.

(7) Consumo
As Associações deverão ter em conta os fatores ambientais na hora de realizar qualquer compra. Existe toda uma gama de produtos que dizem ser ecológicos; as circunstâncias locais serão as que determinem a maior ou menor trascendência desses produtos. As Associações deverão manter-se a par das últimas pesquisas nesse âmbito por tratar-se de uma área que muda com muita rapidez.

Sempre que for possível, se deverá utilizar: papel reciclado , alimentos produzidos no local, procedentes talvez do próprio jardim do albergue, materiais para a construção apropiados que deverão incluir materiais fabricados localmente ou reciclados sempre que isso seja viável economicamente, e quantidades mínimas de produtos de limpeza químicos, a fim de proteger a saúde e garantir a higiene.

Sempre que for possível, se deverá utilizar: papel reciclado (que lleve el logo de reciclaje), alimentos produzidos no local, procedentes talvez do próprio jardim do albergue, materiais para a construção apropiados que deverão incluir materiais fabricados localmente ou reciclados sempre que isso seja viável economicamente, e quantidades mínimas de produtos de limpeza químicos, a fim de proteger a saúde e garantir a higiene.