História do Bonito HI Hostel – parte 3

História do Bonito Hi Hostel

A possibilidade de realizarmos um sonho é o que torna nossa vida interessante.” (Paulo Coelho)

E nossa vida fica ainda mais interessante quando fazemos parte da realização dos sonhos de outras pessoa. [Eu]

Continuação…

Sempre estamos ouvindo: – podemos fazer uma festa ? E a resposta é não. E temos que explicar os motivos n vezes. Bonito oferece um montão de festas, de bailes e de baladas, cada um escolhe a sua. O hóspede tem que entender que há muitos outros hóspedes que não querem barulho, vieram procurando a tranquilidade para curtir a natureza nos passeios ecológicos. 

Aprendi a cortar pela raiz tudo o que gera problema por duas ou três vezes. Deu problema pela 1ª vez eu analiso e tento criar algo para coibir o possível problema ou com avisos bem posicionados ou por outros meios. Se novamente der problema eu já digo para os funcionários que vou abortar aquilo. Quando o problema ocorre pela 3ª vez eu acabo com o ele de uma só vez. 

Se não há aviso de algo que não pode o hóspede fala que ninguém o avisou. Se tem avisos ele fala que não leu. Só que se ele não leu, ele dançou, pois se você disser para a Receita Federal que não sabia que tinha que pagar aquele imposto ou não leu, ela vai lhe responder que você tem obrigação de ler, de se informar e você vai pagar o imposto. Dizem que, se saiu no Diário Oficial, temos obrigação de saber.

Nos locais onde muitas pessoas se hospedam e circulam é preciso de regras e horários rígidos. Todos têm que respeitar e não se pode abrir uma vaga, uma exceção.

Empregados novos são cheios de querer, de inventar, como se nós aqui fossemos principiantes. Daí a gerência já logo pergunta se ele(a) não leu e assinou as normas de conduta. É claro que aceitamos sugestões mas devem ser relevantes e de bom-senso.

Em 2001 entrou uma funcionária nova que veio do Paraná. Ela depois de uma semana me disse que tinha uma sugestão a nos passar e eu disse: – sou todo ouvidos, sente-se e fale da sua ideia. Ela então falou que a ideia dela era substituir os telefones fixos por telefones sem fio a fim de facilitar os trabalhos na recepção. Eu levantei e abri um armário de aço e ela viu quatro aparelhos sem fio aposentados. Olhou e com cara de quem não entendeu perguntou o motivo de estarem apesentados. Contei a ela: – um estrangeiro pegou um deles esquecido no salão e ligou para Paris e falou mais de 20 minutos escondido atrás da caixa de água; um funcionário da recepção que usava calça cargo foi para casa e levou os dois aparelhos, um em cada bolso; a gerante da época deixou cair um deles dentro do tanque de lavar roupas; um brasileiro achou um e foi para o apartamento e lá ficou discando para meio mundo.

Desde muito jovem ouço um ditado que diz assim: Uma batata podre no saco apodrece as outras. É incrível como uma pessoa chata acaba com o clima de bom astral das demais e o ambiente pesa. Ás vezes aparece um hóspede que esta de mal com a vida, reclama de tudo e compromete o bom andamento do dia a dia e prejudica os passeios dos demais.

Quando um hóspede é chato, tipo mala, todos ficam torcendo para que ele vá embora, inclusive os demais hóspedes. Uma vez recebemos um grupo de 20 pessoas de Belo Horizonte, mas dos 20 um era um mala.

No primeiro dia, no café da manhã, ele ordenou à funcionária: – oi, frita dois ovos pra mim e coloca esse pão na chapa. E a funcionária respondeu no ato que não podia fritar ovos e também não podia colocar o pão na chapa. O rapaz surtou e iniciou um reclamação em voz alta, depois foi à recepção incomodar. Outra vez um italiano exigia maçãs verdes no café da manhã ! Nós servimos frutas tropicais porque nosso país é tropical: mamão, melão, abacaxi e melancia, banana. O café da manhã é self-service buffet, bem servido: café, leite quente e frio, achocolatado, ovos mexidos, geleias, bolos, queijo, frutas, sucos e pão francês e pão caseiro. Quem além dos ingredientes mencionados quiser outros, deve comprá-los nos supermercados próximos.

Alguns viajantes chegam em Bonito querendo que aqui tenha tudo que há na cidade dele, se não tem ele começa a reclamar. Agora tem aquela ameaça de reclamar nas redes sociais, tipo Facebook e outras, virou moda, é a “Turma do MI-MI-MI” que até teve matéria em uma revista famosa e um vídeo do Filósofo Leandro Karmal sobre essas pessoas que gostam de criticar tudo. Muita gente pensa que a internet é um mundo sem Leis, mas se engana porque sabemos de pessoas que postaram calúnias e difamações e foram processadas, condenadas e ainda tiveram que pagar indenizações. Os viajantes devem entender que nós estamos aqui para servir todos os nossos hóspedes da forma mais eficiente possível e não para prejudicar. Infelizmente há pessoas que viajam para criar casos, criticar e arrumar confusões. Felizmente são uma minoria que não chega a nem a 0,5 %. Então, oportunamente achamos na internet a “Santa Paciência” pela qual ficamos devotos no ato.

 

História do Bonito HI Hostel – parte 3

“LIVRAI-NOS DOS MALAS E DOS INVEJOSOS, AMÉM”

 Já dizia meu avô; “A inveja é a assinatura do incompetente”. É uma super verdade ! Origina-se do latim INVIDIOSU.

Leandro Karmal finaliza o vídeo dizendo assim: “quando aponto um dedo para alguém, vejo imediatamente três dedos apontados na minha direção.” Ele também afirma que as críticas maldosas revelam muito de como é aquela pessoa. 

Em contrapartida há os casos divertidos, os hóspedes engraçados, aquelas figuras carimbadas e algumas ações interessantes.

 Vamos a elas:

 A gringa que lavou as calcinhas e soutiens no lavatório do apartamento e depois pendurou tudo na rede de volei da piscina! O HI hostel tem uma grande lavanderia e super varais para os hóspedes usarem, mas tem gente que é sem noção.

 E os pedidos de sanduíches na nossa cantina – pérolas na chapa:

Quero um X egg mas sem ovo, tá ? Quero um X salada sem tomate e sem alface. Dá prá fazer um Megatudo sem ovo, sem queijo e sem presunto,…ah sem bacon também ! Até agora ninguém pediu omelete sem ovos, mas estamos esperando.

O alemão que queria mostrar que já falava português, disse na recepção que estava lotada: – eu necessitárrr da papel do bunda na minha banheirrra;

Um israelense que esteve antes na Bahia dizia colocando as mãos na cabeça: – dói mi cabáço;

Também houve um holandês que morava há algum tempo no Brasil e, portanto, já sabia se comunicar muito bem. Ele além de tudo era muito brincalhão e quando viu 4 israelenses perguntando como se falava isso ou aquilo em português, resolveu ajudá-los. Só que a ajuda foi muito sacana porque ele explicou para um deles que, para pedir comida nos restaurantes ele teria que falar assim: – procuro por uma bicha se ele quisesse comer prato X , procuro por uma xoxóta se fosse outro prato e procuro meu macho se outro prato. Bom,..já viu no que deu !

E sobre as noveleiras

Uma vez deu dó de um hóspede. Ele chegou com a namorada, estava todo animado para sair para um passeio aproveitando o dia quente. Mas a namorada começou a surtar porque queria uma TV no quarto porque ela não podia perder nenhum capítulo da novela. Não teve jeito, a mulher queria e queria a TV e nós mostramos a TV no salão. Ela dizia que no salão ela não teria privacidade e teria muita gente conversando. O rapaz tentava convencê-la de todas as maneiras e depois de uma hora ela acabou cedendo e ficou. Até a moça se acomodar e desfazer a mala não deu mais tempo de fazer o passeio que o namorado desejava. No final do dia o tempo virou para chuva e a moça falava para o namorado que com chuva ela queria ir embora, não ficaria de jeito algum. A chuva caiu a noite toda e pela manhã estava garoando. A moça exigiu ir embora e foi arrumar as malas. Apesar do pessoal do Hostel dizer que o tempo iria abrir, ela não deu ouvidos. O rapaz pagou a conta e em seguida foram para a rodoviária. No final da tarde o rapaz ligou de Campo Grande dizendo que lá estava o maior Sol e nós respondemos que em Bonito também. No dia seguinte o rapaz estava de volta, mas sem a namorada que ele despachou. Disse: – bem que meu amigo me falou para eu viajar sozinho. É isso aí, antes só do que mal acomapanhado, mesmo porque no Hostel sempre tem muita gente nova para conhecer.

 

As professoras de um grupo de estudantes, contra a vontade dos alunos, mudaram o grupo do Hostel para uma pousada porque queriam TV e freegobar nos apartamentos para não perder a novela !! Mas que mancada !! Os alunos estavam adorando a pisicina, o salão de jogos e se integrando com outros hóspedes, inclusive estrangeiros, mas as professoras não podiam ficar sem a novela. Lamentável professoras, vocês esqueceram que a viagem é dos alunos e não de vocês ! Foi mal !

 

OS MUITO AVENTUREIROS

Hostel também é legal porque atrai todo tipo de aventureiro do mundo. O Bonito Hostel já hospedou muitos desses malucos . Logo no início apareceu um japonês que estava rodando o mundo de bicicleta e mostrava um album com muitas imagens desde o Nepal até a Terra do Fogo. Lembro-me de um casal de alemães também virando mundo de bike e recebemos em 2001 o Argus Saturnino, um mineiro que deu a volta ao mundo de bicicleta. O Argus começou em 2001 e terminou em 2005 – vejam o site que é muito interessante > www.pedalandoeeducando.com.br 

Em 2001 também apareceu um rapaz de 18 anos, paulistano, que manteve contato vi e.mail dizendo que viria de bike até Bonito. Ficamos preocupados por causa das estradas, do grande fluxo de carretas mas ele veio e ganhou uma semana de cortesia na hospedagem de prêmio.

O mais atípico dos aventureiros que recebemos foi um americano que andava a pé e de carona. Com a molchila nas costas ele pegava a estrada e ia caminhando e pedindo carona. Ela não parava de andar, fazia o sinal de carona caminhando, se conseguisse ele embarcava mesmo que a carona fosse de poucos quilômetros. Ele saiu de Campo Grande e demorou três dias para chegar em Bonito.

Também me lembro de um inglês que dormiu apenas uma noite em Bonito e seguiu pedalando e de um francês que também pedalava mundo afora. Por falar em francês, no dia 8 de Novembro de 2008, chegou outro francês de bike, mas esse só pedala no Brasil. Só em um dia ele fez 130 Km.

 Pedras no caminho? 

Guardo todas, um dia vou construir um castelo… [Fernando Pessoa]

 

A FALTA DE SENSIBILIDADE DAS PESSOAS

Sabe, estive pensando sobre a falta de sensibilidade da maioria das pessoas no lidar com as coisas e também com o próximo. Como o clima em Bonito costuma ser muito quente e com Sol escaldante, eu ando sempre á procura de sombras ao caminhar e no momento de estacionar o meu carro em algum lugar. Mesmo que eu tenha que andar mais, procuro estacionar o carro sob a sombra de alguma árvore ou qualquer coisa que esteja tapando o Sol. Mas observo que a maioria não se importa e pára o carro no Sol mesmo e caminha sob ele. Eu já gosto de uma boa sombra e estaciono meu carro na sombra e ao retornar ele estará fresco, o ar condicionado logo estará geladinho. Ao passo que, se deixo o carro ao Sol, quando voltar ele estará uma saúna e o ar condicionado não conseguirá resfriar o ambiente interno.

Em 2006 comprei uma casa velha em Bonito mas não fui morar nela porque a casa estava muito ruim e foi dolorosamente projetada. Aliás, percebi que nunca existiu um projeto. Como dizem alguns: foi riscada no solo do terreno e depois foi ganhando puxadinhos. Eu então fiquei durante bom tempo tentando idealizar uma arrumação naquela desordem de casa, com uma cozinha nos fundos, um banheiro externo minúsculo e dentro uma suite e mais dois quartos, sendo que, um dos quartos foi nitidamente a cozinha da casa anos atrás, pois ainda pode-se ver os bujões que tapam os canos de água onde outrora foi a pia da cozinha. Eu ia lá e ficava olhando, medindo e não me vinha nenhuma idéia a não ser demolir a casa e construir outra. Um dia comprei duas mudas de árvores e plantei-as na frente, no bom recúo que existe entre a feia fachada e a rua. Ao lado das mudas de árvores eu mandei um funcionário fincar três estacas de proteção contra o vandalos. Um tempo depois, quando as árvores já estavam com aproximadamente 70 cm de altura emprestei a casa para dois amigos passar um feriado em Bonito e eles destruiram uma das árvores. Dois meses depois plantei outra, a chamada Brasileirinha. Colhi um galho de uma árvore grande e fiz a muda que eu regava todos os dias até que ela brotou e cresceu. Mas quando ela estava já com mais de um metro de altura e toda cheia de folhas verdes e amarelas, alugamos a casa para outro povo passar um feriadão. E o que foi que aconteceu ? Arrancaram a Brasileirinha, ficou apenas o toquinho ! O resultado é que daquela data em diante não mais emprestamos e muito menos alugamos a casa para mais ninguém. Mas podemos colocar nela turistas que vêm para a prática do turismo ecológico sem preocupação porque esses vêm com o espírito de preservação.

 

“Se você caminha sob a sombra das árvores nos dias quentes, então plante algumas durante a sua vida e preserve as que você não plantou” [De minha autoria: Luiz Octavio]

 

Um lindo poema que sempre me acompanha em minhas jornadas,…um poema dos aventureiros,…

TRILHA

ESTA LINHA QUE TRACEI
AFUNDADA NOS MATOS DE MIM MESMA
FOI ABERTA NO BRAÇO,
NA RAÇA,
NA PONTA DA FACA.

ITINERÁRIO DESCONHECIDO DE CAMINHOS,
GEOGRAFIA DOS MEUS DIAS,
LEVANTANDO ARRAIAS NOVOS
EM LONGÍNQUAS QUEBRADAS DE SOLIDÃO.

ESTA TRILHA QUE RASTREEI,
RISCO QUE PERCORRI,
O MATO NÃO COBRE MAIS.

FICOU PARA SEMPRE
TÃO CALÇADA DA VIDA,
QUE O TEU PASSO, BREVE E LEVE,
NELA ENTROU,
E EU NEM SENTI…

De Lucia Fleury


“Sempre permaneça aventureiro. Por nenhum momento se esqueça de que a vida pertence aos que investigam, exploram. Ela não pertence ao estático; Ela pertence ao que flui. Nunca se torne um reservatório, sempre permaneça um rio”. [Osho]

Os pensamentos a seguir dão um bom recado:

“Quem pensa pouco erra muito” [Leonardo da Vinci]

“Não tenhamos pressa, mas não percamos tempo” [José Saramago]

“Quando todos pensam da mesma forma, alguém não está pensando.” [George Patton]

“Há dois tipos de pessoas que não conseguem muito na vida. Uma é aquela que não faz o que lhe mandam, a outra é aquela que faz nada além do que lhe foi mandado fazer” [Andrew Carnegie] – Resumo: é o sujeito que nunca faz aquele algo mais, apenas e exatamente o que lhe mandaram fazer, se pegar fogo ele não é capaz de usar o extintor de incêndio, deixa queimar tudo.

Daí me lembro do que um amigo falou para um empregado que estava saindo de férias: “Olha, te desejo boas férias, mas faça votos para que a gente sinta a tua falta aqui na empresa, ok”. Então é como eu sempre digo para os nossos funcionários: “Seja valioso em tudo que você fizer no seu trabalho para se tornar uma pessoa indispensável, caminhe um quilometro a mais na sua jornada para curtir todas as recompensas que receber”.

O Brasil é um país democrático ?

“Num país onde todos têm direitos mas ninguém tem obrigações (deveres), não existe democracia e sim, anarquia”. [Arnaldo Jabor]

Pois é, o brasileiro tem a mania de exaltar seus direitos, mas na maioria das vezes esquece que antes de tudo tem que cumprir com os seus deveres e obrigações. Exemplo: o sujeito faz uma reserva no Hostel, recebe todas as informações, regras e horários do estabelecimento, mas não lê nada. Quando chega no Hostel ele começa a reclamar de tudo, tornando-se um hóspede inconveniente. Depois fala que tem seus direitos e vai ouvir como resposta que ele tem sim direitos, mas também tem deveres e obrigações.

A seguir a antiga fachada do Hostel, com foto 360º de Eric Pzado - Blog Jeguiando.
A seguir a antiga fachada do Hostel, com foto 360º de Eric Pzado – Blog Jeguiando.

Rato de Albergue:


Em todos esses anos notei que ás vezes aparece um tipo diferente de “alberguista”, o que chamo de “Rato de Albergue”. É aquele sujeito que fica muitos dias, mas não faz passeios ecológicos, ele vem para curtir o Hostel, é comunicativo, quase sempre é mulherengo, mas a maior característica é ser oportunista e “pidão”. Ele pede cigarro para todos, não tem isqueiro, pede emprestado o notebook dos outros, pede um pedaço de bolo que provavelmente sobrou do café da manhã, pede carona para quem esta de carro. Ele também bebe as sobras das bebidas de outros hóspedes e pede para guardar comidas que sobraram, restos de sanduíches.
No café da manhã ele abusa, coloca pães recheados nos bolsos e leva para o quarto a fim de comer mais tarde. Quando a galera o convida para os barzinhos noturnos ele diz: “pô cara, estou duro, sem grana mesmo”. Mas quase sempre alguém o convida e diz que paga e ele aceita no ato, sem cerimonia. Geralmente o “Ratão” é o que mais come e o que mais bebe, pois sabe que não vai pagar.

É fácil de localizar o “Rato de Albergue”, ele esta sempre no salão de convívio conversando com outros hóspedes, ligado nas sobras, esperando que alguém ofereça algo.

Tempo ! Vamos à duas pérolas, episódios que mostram que o ser humano é mesmo único

Ao fazermos uma reforma em um apartamento do Hostel, os pedreiros trocaram o vaso sanitário do banheiro e o levaram para os fundos da área de camping, para que no dia seguinte fosse colocado na caçamba de entulhos. Só que o vaso foi colocado na posição normal e estava com o assento e a tampa, fato que um hóspede do camping durante a noite, com preguiça de andar até o banheiro coletivo, fez o número 2 ! Acredite se quiser !

Em Dezembro de 2013, um hóspede do Sul, sem pedir autorização a qualquer funcionário do Hostel, entrou na área de camping e armou o seu “slackline”, sendo que o apetrecho tem uma fita que fica esticada de um ponto a outro, para que pessoas andem sobre ela se equilibrando. Só que ele deixou o brinquedinho dele armado, escureceu, ele foi jantar fora e uma moça que era hóspede, quando caminhava em direção á lavanderia, foi surpreendida quando a fita atingiu o seu pescoço, ela caiu sem respiração. Felizmente nada de grave aconteceu, pois ela caminhava rápido, se estivesse correndo talvez o acidente seria mais grave. Nós então desmontamos o apetrecho e no dia seguinte comunicamos o rapaz que, além de ter promovido o acidente, ficou irritado por termos desmontado o apetrecho perigoso. Infelizmente há pessoas que pensam que podem fazer o que quiserem, não se importam com o próximo e ainda ficam escrevendo calúnias e difamações pela internet.

Lá pelas 23:45 h uma chuva forte e duas mulheres dormindo em barraca na área de camping do Hostel simplesmente pegam a barraca e a montam dentro do salão de convívio, refeitório do café da manhã ! E ao serem informadas que ali não podia barracas ainda tentaram discutir com o guarda da noite.

Um rapaz que estava alcoolizado na madrugada e pegou um extintor de incêndio para brincar e não queria pagar a recarga do equipamento que, todos sabem, é restrito para apagar fogo no caso de um incêndio. O guarda até teve vontade de apagar o fogo do rapaz com o resto do extintor, mas se conteve.

Por essas e por outras, quanto mais eu conheço os homens e presencio suas péssimas atitudes, mais eu gosto e admiro os animais.

—————————————-

Estamos ás vésperas da eleições de 2014, me lembrei de frases super interessantes, caem como luvas em tempos de eleições no Brasil:

“A mentira é uma verdade que se esqueceu de acontecer” [Mario Quintana]

“Meu avô era um homem muito corajoso, só tinha medo dos idiótas. Eu então lhe perguntei: Por quê, vô ? Ele disse: eles são muitos e por serem a maioria, escolhem até o presidente”. [ Facundo Cabral ]

————–

E foi-se mais uma eleição, entrou o “Petrolão”, monte de gente sendo presa por mega-corrupção,…lembrei do meu avô,….e dos idiótas !

E por falar em idiótas, um provérbio chinês:

“Os sábios aprendem com os erros dos outros, os tolos com os próprios erros e os idiotas não aprendem nunca.”

É impressionante como o mundo vem piorando nestes últimos 25 anos ! Estou concluindo que milhares de idiotas são gerados por minuto, velocidade que supera muito a quantidade de pessoas inteligentes, capazes e hábeis, que jamais conseguirão controlar tantos idiotas que se proliferam como uma praga. 

Como definir um sujeito que arranca a argolinha da lata de bebida e joga no chão ? Ou o cara que limpa os ouvidos com cotonete e joga na porta do apartamento ?