Corumbá

Mato Grosso do Sul e fronteira Brasil com a Bolívia.

Aproveite sua viagem a Bonito para conhecer Corumbá, á margem direita do Rio Paraguai, o maior e principal rio do Pantanal.

Muitos viajantes passam por Corumbá quando estão indo para a Bolívia e Peru ou quando estão vindo daqueles países para conhecer o Brasil.

O famoso Trem da Morte que a maioria dos turistas utiliza(va) para chegar a Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, parte de Quijarro / Puerto Suárez, na divisa com o Brasil, mas já não é muito utilizado porque a rodovia foi pavimentada e a viagem de ônibus ou van é bem mais rápida.

O Município de Corumbá faz fronteira com a Bolívia. Centenas de turistas cruzam a fronteira diariamente, muitos seguindo para a Bolívia e outros entrando no Brasil á procura do primeiro transporte para Bonito ou para algum passeio no Pantanal. Depois, normalmente seguem para Foz do Iguaçu ou outros destinos, como Rio de Janeiro, etc.

Foto: Rio Paraguai e ao fundo o Porto de Corumbá
Foto: Rio Paraguai e ao fundo o Porto de Corumbá

É a terceira cidade mais importante do estado em termos econômicos, culturais e populacionais depois de Campo Grande (a capital do estado) e Dourados.

Constitui o mais importante porto do estado de Mato Grosso do Sul e um dos mais importantes portos fluviais do Brasil e do mundo.

Existe uma (quase) conurbação de Corumbá com mais 3 cidades: Ladário, Puerto Suarez e Puerto Quijarro. Com isso existe uma rede urbana de cerca de 150 mil pessoas, sendo atendida por dois aeroportos: Corumbá e Puerto Suárez.

OBS: Se você esta interessado em conhecer o Pantanal, o Bonito HI Hostel oferece boas opções econômicas de passeios em fazendas cadastradas no Ministério do Turismo – Embratur – para a prática do turismo ecológico.

É importante saber que o Pantanal esta antes de Corumbá, isto é, você poderá sair de Bonito e seguir para uma das opções de passeios no Pantanal e depois seguir para Corumbá e Bolívia.

Foto: Chalanas no Porto de Corumbá
Foto: Chalanas no Porto de Corumbá

Corumbá: Lazer e vida cultural – Centros culturais e de exposições Instituto Luis de Albuquerque Corumbá dispõe dos seguintes centros culturais:

Casa Rio Tinto (Av. General Rondon, 1355, Centro, entre as ruas 7 de Setembro e Major Gama – Mapa): a Casa Rio Tinto é centro de referência para divulgação da cultura e trabalho de artistas pantaneiros. Também é um espaço dedicado à exposição de fotografias; artes gráficas; cerâmica; cinema; audições musicais. O local também tem a apresentação das atividades desenvolvidas pelo Grupo Rio Tinto Brasil no município.

Casa Vasquez & Filhos (Ladeira José Bonifácio, 171, Porto Geral – Mapa): A edificação foi tombada como Patrimonio Histórico e Artístico Nacional e integrou o Programa Monumenta. Abriga o Memorial do Homem Pantaneiro. Construído em 1909 pelo arquiteto italiano Martino Santa Lucci, para tornar-se um local de encontros na cidade.
Edifício Wanderley, Baís & Cia (Rua Manoel Cavassa, 275, Porto Geral – Mapa) : construído em 1.876, suas escadas dão acesso aos três pavimentos que foram importados da Inglaterra. No local, hoje funciona a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Turismo, diversas lojas de artesanato e um restaurante de comidas típicas da região. Também restaurado pelo Programa Monumenta, abriga dois museus: Museu da História do Homem do Pantanal e Museu de História do Pantanal.

Estação Natureza Pantanal (Ladeira José Bonifácio, 111 – Porto Geral – Mapa): O espaço funciona no edifício Sleiman, construção datada de 1908, que estava fechada desde 1987. O local já abrigou comércios, residências, hotel, Casa de Rendas e abrigou a Capitania dos Portos. O prédio foi o primeiro da orla portuária a ser completamente restaurado e integra o patrimônio histórico e cultural de Corumbá. O projeto da Fundação O Boticário ainda realiza cursos, palestras, seminários e eventos ligados a temas ambientais, oferecidos ao longo do ano por técnicos da instituição. A Estação Natureza Pantanal é a segunda do País e a primeira instalada fora do Paraná e integra a estratégia da instituição em desenvolver iniciativas próprias em todas as regiões brasileiras. Começou á funcionar em fevereiro de 2006.

Fundação de Cultura de Corumbá (Rua Frei Mariano, 428, Centro – Mapa): o local possui escola de música, oficina de dança, oficina de artesanato e realiza trabalhos com crianças carentes beneficiários do bolsa escola.
Instituto Luis de Albuquerque (Praça da República – Mapa): O espaço contém museu, biblioteca, sala de exposição, salão nobre para lançamento de livros, sala de poetas, oficina de teatro, oficina de artes plásticas, oficina de música e oficina circense. Durante o Festival América do Sul abriga em seu espaço exposições de artes plásticas nos quais são expostos trabalhos de artistas conhecidos da região e de outos países.

Moinho Cultural Sul-Americano (Domingos Sahib, Sn, Porto Geral – Mapa): foi cedido pelo Grupo Dona Benta para o município e iníciou suas atividades em 2005 para fins sócio-culturais. As atividades são direcionadas à integração dos povos da fronteira Brasil/Bolívia e há espaço para abrigar exposiçoes que se relacionem à cultura dos dois países tais como dança, folclore, música, artes plásticas, entre outros. Seu objetivo maior é a integração dos povos Sul-Americanos. Também é uma escola de arte e cultura direcionada para crianças carentes. O espaço conta com a parceria do Instituto Homem Pantaneiro.
Museus

Memorial do Homem Pantaneiro (Ladeira José Bonifácio, 171 – Mapa): o museu abriga exposições permanentes e itinerantes sobre o ecossistema e a cultura pantaneira, cultura relativa aos povos que foram chegando e se fixando na região. O museu é um projeto de 2006, e que está instalado na Casa Vasquez & Filhos, prédio este que foi restaurado pelo Programa Monumenta.

Museu da História do Homem do Pantanal (Rua Manoel Cavassa, 275 – Mapa): esse museu retrata a história do homem que habitava a região pantaneira há seis mil anos até a chegada do colonizador, é composto por peças arqueológicas. O prédio, Wanderley Baís, foi restaurado em 2006.

Museu de História do Pantanal (Rua Manoel Cavassa, 275 – Mapa): conta a história da região pantaneira. Também se localiza no prédio Wanderley Baís. Museu do Pantanal (Praça da República – Mapa): conta com uma coleção de animais empalhados, acervo de várias tribos indígenas da região (cadiwéu, terenos e bororós), sessões de artes plásticas, de artesanato em couro e barro, peças arqueológicas e painéis de marcas de ferro de gado usados nas centenárias fazendas. Objetos pessoais dos primeiros desbravadores do Pantanal e do Marechal Cândido Mariano da Silva Rondon, que cortou a região com suas linhas telegráficas. O Museu funciona dentro da Casa de Cultura Luis de Albuquerque.

Lazer

Corumbá tem uma vida noturna bastante rica e movimentada, especialmente nos fins de semana. A noite começa na Av. General Rondon, repleta de bares, chopperias e restaurantes que servem variados tipos de comida, possuindo também a opção de rodízios. Não deixe de parar nos mirantes para ver o reflexo da lua nas águas do rio Paraguai. Apesar de sua noite ser animada, Corumbá carece de salas de cinema e de teatros.