As Águas de Bonito

Você já viu beleza natural como a da foto acima ? 

Por quê as águas de Bonito são cristalinas, transparentes ?

As águas da região de Bonito possuem grande concentração de “carbonato de cálcio”, comumente chamado de calcário, substância que faz com que a água fique sempre transparente, pois o calcário rapidamente gruda nas partículas em suspensão, isto é, o calcário calcifica qualquer sólido que esteja na água e com isso o sólido fica mais pesado do que a água e afunda. Assim, um micro-pedaço de folha ou de qualquer objeto, recebe imediatamente o carbonato de cálcio.

Ás vezes, nas flutuações encontramos objetos diversos, tipo garrafa ou lata, outros. Com mais de 2 anos embaixo da água qualquer objeto já estará totalmente calcificado e apresentará coloração areia. Se o objeto esta na água há muitos anos ele perde a forma original porque o calcário calcifica ao seu redor e com o passar do do tempo se transforma em uma rocha calcária. Se quebramos a rocha (ela é muito frágil) encontraremos aquele objeto dentro dela.

 

As Águas de Bonito

Outro exemplo interessante é quando uma árvore cai para o lado de um rio, tipo transversal ao rio. Ela ao cair fica dentro da água, obstruindo de certa forma a livre passagem da correnteza. Daí as folhas e demais sólidos que vêm com a água vão se depositando e grudando naquele caule, no tronco da árvore e com o tempo vai se formando uma rocha calcária que vai crescendo e aumentando, até que um dia esse conjunto de madeira mais folhas e pedaços de galhos, todos calcificados, se transformam em uma parede de calcário e surge uma pequena queda de água. Ou seja: uma pequena cachoeira que um dia poderá ser uma cachoeira maior.

Outra ocorrência são as grutas que se formam abaixo das cachoeiras. Nós dizemos que em Bonito as cachoeiras crescem. A água trás com ela o calcário que ao descer por uma queda (cachoeira), pode grudar nela e assim as rochas vão aumentando e sob a queda fica um oco que se transforma em uma média ou pequena cavidade ou gruta.

Na verdade, Bonito esta localizado no início da face leste da Serra da Bodoquena que é uma serra diferente das outras porque ela foi composta há milhões de anos atrás de um bloco gigante de calcário. E quando chove, a água da chuva que é ácida, penetra no solo, se infiltra e vai para o subsolo que é praticamente todo de calcário. O ácido da água da chuva age quimicamente no calcário fazendo ele desmanchar aos poucos, criando buracos, dutos e condutos e a água vai levando o calcário que ela desmanchou com a acidez. Surgiram então as nascentes dos rios de águas cristalinas.

Imagine um pedaço grande de espuma, um bloco de espuma de um colchão velho, por exemplo. Daí ele esta seco e vc vai despejando vagarosamente água sobre ele. Durante talvez um minuto a espuma que esta seca vai absorver toda a água de uma garrafa de 600 ml, não escorre água pelo chão. Você então começa a despejar água de outra garrafa e depois de um certo tempo a espuma fica saturada e na parte de baixo começam as aparecer escorrimentos. Com essa analogia podemos dizer que os filetes de água são os rios de Bonito e outros de Bodoquena. O buraquinhos que a espuma tem, podemos dizer que são os dutos e condutos do subsolo da serra da Bodoquena.

Observe na foto duas resistências de chuveiro elétrico, uma nova e a outra totalmente coberta (calcificada) pelo carbonato de cálcio da água. Se o chuveiro do seu apartamento estiver saindo pouca água e fazendo ruido estranho, peça para a equipe de manutenção limpá-lo, é rápido.
Observe na foto duas resistências de chuveiro elétrico, uma nova e a outra totalmente coberta (calcificada) pelo carbonato de cálcio da água. Se o chuveiro do seu apartamento estiver saindo pouca água e fazendo ruido estranho, peça para a equipe de manutenção limpá-lo, é rápido.

As águas da região de Bonito possuem grande concentração de “carbonato de cálcio”, comumente chamado de calcário, substância que faz com que a água fique sempre transparente. Também uma certa quantidade de magnésio. O calcário é o material básico para a fabricação do cimento e também usado para corrigir a acidez do solo das plantações. Tudo isso é muito bom, mas o há o lado negativo do carbonato de cálcio que entope as tubulações e canos hidráulicos, calcifica as resistências elétricas dos chuveiros (foto ao lado), resseca a pele e os cabelos e se ingerida pode soltar o intestino e também dar asia. 

 

Por isso temos aqui bem próximo, a 80 Km, uma fábrica de cimento que fica no Município de Bodoquena.

Há um balneário em Bonito chamado de Praia da Figueira, onde há muitos anos tinha uma jazida de calcário que foi totalmente extraída. Ficou lá um enorme buraco muito feio. O dono da área vendeu para um empresário do turismo e hoteleiro que transformou aquele buraco feio em um lugar maravilhoso que vive lotado de turistas. Na verdade ele fez um projeto, aprovou e obteve as licenças ambientais exigidas e criou uma praia artificial. O buraco foi trabalhado e nele colocaram água de Rio Formoso através de uma tubulação com comporta. Em uma das margens fizeram uma praia com areia de rio que veio de longe e Bonito ganhou a Praia da Figueira. É porque lá tem uma figueira gigante com mais de 100 anos que gera uma sombra enorme e sob a figueira eles colocaram muitas redes para os turistas relaxarem depois do almoço.

É um exemplo de como o homem pode transformar um local degradado em um paraíso. Aliás, aqui em Bonito pode-se observar muitas ações parecidas, pois muitos empresários que vieram de outros estados mais desenvolvidos, contribuem com a recuperação de matas ciliares que foram destruidas por fazendeiros e pescadores no passado.

Há um passeio de bicicleta chamado de Lobo Guará que promove a recuperação de matas que foram destruídas. Mas quem planta mudas de espécies de árvores nativas são os turistas visitantes. No final da pedalada o guia monitor leva os turistas em um viveiro de árvores. Lá ele explica o que cada um vai fazer, pega as ferramentas e leva os turistas, cada um com uma muda, até uma área que esta sendo recuperada. Lá ele explica como cada um vai plantar a sua muda. Isso é maravilhoso, pois já se foram alguns anos plantando, já se pode observar a recuperação. Se você nunca plantou uma árvore, venha plantar aqui em Bonito!

O que são Matas Ciliares ? O que é erosão e assoreamento ?

Preservar as matas “ciliares” é importante para a vida dos rios. Os nossos cílios protegem os nossos olhos e as matas que margeiam os rios receberam o nome de Matas Ciliares porque elas protegem os rios das fortes chuvas que geram as enxurradas que geram a erosão. A erosão danifica o solo, forma as valetas que vão alargando e toda a terra escavada pela água segue para os rios e vão se depositando no leito dos rios. Assim os rios vão ficando mais rasos e a cada chuva forte a água chega mais rapido até o rio, de forma que ele não tem caixa para receber tanta água em período curto de tempo e aquele grande volume vai escavando as margens e alargando os rios. Esse processo é chamado de assoreamento do rio. As raizes das árvores e vegetais da matas ciliares seguram o solo das enxurradas.

Imagine um rio ainda intocável pelo homem, ele tem em ambas as margens sua mata ciliar virgem, é uma mata densa, apenas frequentada pelos bichos e pelas aves. E cai uma forte e longa chuva, mas toda a água da chuva não vai rapidamente para dentro daquele rio, uma parte dela fica nas folhas, outra parte escorre e penetra no caule das árvores e nas cascas que estão secas, outra parte vai cair no chão da floresta que esta repleta de folhas e galhos secos como um colchão.

Outra parte da água daquela chuva vai se infiltrar no solo chegando vagarosamente no subsolo e atinge o lençol freático (água subterrânea) e através dele ela vai chegar no rio, mas em processo lento, natural.

Então, a natureza sabe se comportar de forma adequada, ela age suavemente, não danifica o meio ambiente. Essas chuvas que destroem tudo são porque o homem afetou de forma inadequada a natureza. O homem construiu sua casa na encosta dos morros, ele destruiu a mata ciliar para ficar bem próximo do rio e joga seu esgoto na água do rio. O homem faz valetas, cimenta o piso e a água não tem folhas para molhar, não tem terra para se infiltrar, segue com fúria e vai ladeira abaixo destruindo o que encontrar pela frente.

Dizem que o assoreamento é a morte do rio, porque ele vai ficando largo e raso, a vida vegetal e animal deixa de existir e o rio morre.

O rio assoreado fica espraiado, a cada chuva forte ele arrasa mais uma margem ou a outra e vai abrindo largura, se divide em dois ou mais braços rasos e suas águas estão sempre barrentas pelo efeito da erosão que esta sempre cavando suas margens e barrancos.

Muitos rios ricos em vida animal e vegetal tiveram suas matas ciliares devastadas pelas atividades do homem, seja com criação de gado, carneiros abrindo pastagens muito próximas dos rios, seja na construção de vilarejos que depois se transformaram em cidades e com a pesca predatória. Um exemplo recente é o Rio Taquari que até ganhou uma música sertaneja.   

Rio com mata ciliar preservada
Rio com mata ciliar preservada
Rio água sujas sem mata ciliar que foi devastada
Rio água sujas sem mata ciliar que foi devastada

Há muitos anos vi uma cena inédita, pena que eu não tinha uma filmadora para gravar aquela familia de macacos-prego. Eu estava descendo o Rio Formoso uns 2 km antes da sua foz no Rio Miranda. Foi em um passeio que foi extinto, chamava-se Projeto Vivo. Era um bote inflável e naquele local o rio é bem largo, quase no seu final, nas margens há muitos bambuzais que atravessam de um lado para o outro do rio. Vimos então uma familia de macacos que subia por uma vara de bambú. Era o macho, o pai, que ia na dianteira e logo atrás a mãe com um macaquinho nas costas e outro na sua frente. Porém, todos ficamos preocupados porque aquela vara de bambú começou a arquear, a baixar para o lado da margem esquerda. Mas logo descobrimos que era exatamente isso que a macacada queria, pois o pai foi subindo e a vara foi descendo até que ela ficou acima de outra vara, mas era uma vara de bambú da outra margem. Então o macaco pai pulou da vara que estava com sua familia para a outra vara mais abaixo e em seguida o macaquinho também pulou e depois a mãe macaca com o filhote menor nas costas. E atravessaram o Rio Formoso sem se molhar, sem ter que nadar. Foi uma cena maravilhosa, mais uma prova de como é importante preservar as matas ciliares dos rios, pois elas servem de meios de transporte para os animais. O bambu com o peso cede e vai ao encontro de outro que nasceu na outra margem: está feita a ponte, a travessia ocorreu com sucesso ! Muitas árvores das matas ciliares produzem frutos que caem na água e alimentam os peixes.

Show de acrobacia, show da natureza !